Posts

CRAMI participa de ações de mobilização do 18 de maio

Um dia dedicado à conscientização e à mobilização da população de Campinas sobre o Dia Nacional de Combate ao Abuso e à Exploração Sexual contra Crianças e Adolescentes. Assim foi sexta-feira, 18 de maio. As ruas das cinco regiões de Campinas, Norte, Sul, Leste, Sudoeste, Noroeste, foram tomadas pelos cortejos e atividades para alertar para a data e para a importância de fortalecer leis e campanhas que protejam a infância. O CRAMI esteve presente em todas as ações.

No domingo, 20 de maio, o trabalho de conscientização se estendeu para a Lagoa do Taquaral. O objetivo era abordar as pessoas com a distribuição de folhetos sobre o 18 de maio para que pudessem provocar e sensibilizar os participantes para o dia de combate ao abuso sexual e à exploração sexual contra crianças e adolescentes. As ações foram uma iniciativa da Comissão de VDCCA (Violência Doméstica contra Crianças e Adolescentes), pertencente ao CMDCA (Conselho Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente) que teve o apoio das Organizações da Sociedade Civil e dos serviços públicos.

Adolescentes participam de fita tela sobre o 18 de maio

Mais de 200 adolescentes de diversas instituições de Campinas participaram do Fita Tela com a exibição do filme “Um olhar do paraíso”, no Salão Vermelho da Prefeitura. O evento faz parte da programação do 18 de maio – Dia Nacional de Combate ao Abuso e à Exploração Sexual de Crianças e Adolescentes promovida pelo CMDCA. Foram duas sessões: uma na parte da manhã e outra na parte da tarde.

O filme conta a história de Susie Salmon que é assassinada por seu vizinho, George Harvey, um assassino em série de garotas e mulheres. Um ano após a morte de Susie, sua irmã e seu pai começam a desconfiar do vizinho e a procurar provas para incriminá-lo. Após a exibição do filme, os próprios participantes fizeram uma roda de conversa com o apoio dos educadores sociais.

“O fita tela (filme e debate) utiliza de uma metodologia de grande relevância, pois é uma iniciativa entre pares: de adolescentes para adolescentes e mediação de educadores(a) sociais e outros trabalhadores sociais. O objetivo do evento foi refletir sobre o abuso e a exploração sexual, sobre a importância do cuidado, da proteção, de fazer a denúncia e divulgar os canais para isso”, explica o educador social, Paulo Silva.