Viver Bem aborda fase vermelha e consequências da pandemia

No dia 11/03, a comissão do grupo Viver Bem havia se preparado para sugerir a montagem de um “mapa social” de vínculos afetivos para trabalhar o Dia Internacional da Mulher. No entanto, a equipe optou por alterar a programação ao perceber que o anúncio da fase vermelha feita pelo governo estadual estava mobilizando mais as participantes.

“Esse grupo tem a característica singular de autogestão, onde a comissão se coloca num lugar de suporte à criatividade e demandas que emanam dela, promovendo atividades artísticas para facilitar o processo reflexivo”, explica Jefferson, psicólogo e integrante da comissão organizadora.

Foi tratado sobre como funcionará essa nova fase do plano São Paulo de contenção à pandemia, seu período e sobre o impacto dela na vida das mulheres. As participantes apontaram que estão sempre se organizando e se reorganizando para lidar com a maior parte da família em casa e com o medo do contágio, sabendo que atualmente os leitos hospitalares estão praticamente lotados.

O grupo também tratou sobre os impactos econômicos frente a pandemia, em relação as suas famílias e as famílias de modo geral, bem como o aumento abusivo dos preços dos produtos consumidos e a diminuição do poder de compra.

“Terminamos o grupo falando sobre a participação (considerada positiva) dos homens num grupo exclusivamente feminino e que elas consideram que este foi um ganho para o Viver Bem como um todo, mesmo com a resistência de algumas mulheres em não participarem. Disseram estarem abertas a entrada de novas mulheres no grupo”, finalizou Rafael Teodoro.