Crami realiza 1º Aulão Integrado Jiu-Jitsu Social

 Com o objetivo de integrar crianças e adolescentes e proporcionar um momento de trocas de saberes, na manhã desta quinta-feira, 20 de julho, o Crami em parceira com CRAS Florence, Fundação Gerações, Cecompi Campinas e Barbante Jiu-Jitsu, promoveu o 1º Aulão Integrado Jiu-Jitsu Social, na quadra do CEU Florence I. Mais de 60 crianças e adolescentes estiveram presentes na atividade, além de seus pais e responsáveis.

O aulão começou com a saudação do educador social do Crami, Alexandre Alves, e em seguida chamando os professores convidados: Caio Rodolfo Barbante, Patrick Chaplin e Luis Fernando Honorato para dar continuidade às atividades. O professor Caio Barbante agradeceu a presença de todos, e deu início a aula, com orientações de como usar corretamente o quimono (informando que é uma tradição cultural japonesa e o modo a ser vestido), instruções e técnicas de defesa em que é usado a energia do lutador através de projeções, imobilizações, contusões e etc, além de proporcionar as crianças e adolescentes a prática da luta, treinando os golpes ensinados.

Para o educador social do Crami, Alexandre Alves, o 1º aulão integrado Jiu-Jitsu Social foi um sucesso, e a grande participação das crianças no tatame foi muito positiva, onde elas puderam compartilhar saberes através da didática dos senseis ao ministrarem as oficinas. “A molecada foi muito participativa juntamente com os pais. O Crami novamente buscando sua força por meio da educação social no território com a atividade do Jiu-Jitsu”, enfatizou.

O professor Caio Barbante que há 15 anos dá aulas de Jiu-Jitsu, ficou encantado com o trabalho e a força de vontade e educação das crianças. Para ele, esse é um tipo de atividade muito importante e precisa continuar. “Fiquei muito feliz com esse projeto, e vou ajudar na maneira que eu puder”, destacou o professor.

O 1º Aulão Jiu-Jitsu Social foi muito positivo pela participação e alegria das crianças e adolescentes, sendo uma atividade que proporciona o contato com o esporte, além de incentivar valores como disciplina e perseverança.

Depoimentos:

“Muito bom, já faço Jiu-Jitsu e pretendo continuar!” (Mateus, 11 anos)

“ Eu achei muito legal e divertido!” (Pedro, 9 anos)

“Gostei muito!” (Cauã, 11 anos)

“Bom e bem bonito, eu gostei muito!” (Gabriel, 8 anos)

“Muito legal, e estou muito feliz!” (Isabela, 7 anos)

“Foi bem criativa e produtiva, e incentivando eles.” (Cristiane, 35 anos – mãe)